19.11.06

Voar

Havia uma cena de um filme que já há muito vi, numa deserta sala de cinema, interrompido a meio por duas ruidosas senhoras atulhadas de baldes, esfregonas e o mais diverso material de limpeza, em que um mísero saco de plástico voava ao vento para trás e para a frente, para cima e para baixo sem quase sair do sítio, revolvendo-se sobre si como se dançasse ao maravilhoso som de uma bela sinfonia.
Quero ser esse pequeno saco de polímeros. Para sempre.

1 Comments:

Anonymous Oliveira Salazar said...

Isso é muito bonito se não tiveres vontade própria. Para domares o teu destino, o saco terá que ganhar asas.

09:13  

Enviar um comentário

<< Home